Release de lançamento dos canivetes da Linha Cabeça do Rei

Corneta recupera a tradição dos canivetes

Empresa lança uma linha de canivetes com design inspirado nas antigas coleções, porém com materiais mais encorpados, produção e matérias-primas totalmente nacionais. A qualidade que sempre acompanhou a marca Corneta prevalece, mantendo as tradições alemãs iniciadas pela matriz de Solingen/Alemanha.

Para desenvolver uma nova linha de canivetes, a Cutelaria Corneta encontrou inspiração em suas próprias tradições e em sua história de 220 anos dedicados à industrialização de produtos de corte. O projeto surgiu com base em uma pesquisa ao acervo da empresa, organizada pela gerente de Cutelaria, Constance Bennecke. Durante os estudos, ela encontrou banners e folhetos antigos, utilizados no passado para divulgar os conhecidos “canivetes do vovô”.

Constance também selecionou diversos canivetes antigos, na intenção de montar o Museu da Corneta, que contará a história da empresa. Diante desse rico material, lançar a linha de  canivetes foi inevitável, atendendo a centenas de solicitações feitas pelos revendedores e consumidores de todo Brasil.

Novos Canivetes Corneta

Os novos canivetes Corneta formam uma linha mais elaborada, fabricados com materiais  robustos. Têm lâmina mais espessa, fabricada 100% em inox, assim como a mola e a castanha. Para os cabos, a empresa selecionou materiais exclusivos: chifres de animais, ossos e madeiras nobres.

A sofisticação dos materiais faz dos canivetes Corneta um produto muito solicitado por colecionadores, lojas de presentes finos e tabacarias. “Em cidades do interior de São Paulo, assim como em outros estados brasileiros, os canivetes continuam em uso, e são requisitados para presentear pessoas de gosto exigente, que preferem os objetos tradicionais da Cutelaria Brasileira”, explica Constance.

A produção dos novos canivetes foi transferida da unidade de Cotia/SP, para a matriz de Osasco/SP, centralizando a produção de cutelaria com a já consagrada linha Wotan de facas especiais entre outras linhas que estão em desenvolvimento e devem ser lançadas ainda este ano. De acordo com Constance, desde o início da criação do design e concepção do produto o projeto durou cerca de um ano. Além do uso de matérias-primas de alta qualidade e resistência, a produção adaptou o design e os mecanismos do novo canivete para as atuais tecnologias aplicadas na linha de Cutelaria, já operando na empresa desde 2007.

Linha Cabeça do Rei

Constance Bennecke vem acompanhando e estudando a história da Corneta não apenas por sua ligação familiar com os fundadores da companhia, iniciada em 1787, quando a empresa surgiu em Solingen/Alemanha. Ao pesquisar o acervo de peças antigas, preservada pela fábrica ao longo dos 77 anos de atuação no Brasil, ela se deparou com inúmeros logotipos, projetos e material gráfico, incluindo algumas peças. Deste material, ela estudou as melhores versões para lançar uma linha atual, surgindo uma coleção de canivetes identificada pela “Cabeça do Rei”, logotipo presente em peças criadas na Era Napoleônica.

O produto é apresentado em embalagem especial, e foi batizada pela marca Cabeça do Rei, em razão da identificação do logotipo no formato de uma cabeça de rei, a qual está impressa nas peças. Essa também é uma marca resgatada da história da Corneta, criando uma associação com as antigas e atuais tradições da empresa.

Os canivetes Corneta completam a História da Cutelaria no Brasil. São produtos cuja ancestralidade permanece na mente do consumidor. E com o lançamento de uma linha revisitada, a empresa espera recuperar os hábitos pelo uso do canivete do vovô.

O principal objetivo da empresa com este lançamento

A gerente da Cutelaria Corneta, Constance Bennecke, ressalta que a empresa pretende apresentar ao mercado uma nova concepção em canivetes brasileiros, recuperando o hábito de usar o produto nacional de forma gradativa.

Perfil Corneta

A Corneta está no Brasil há 77 anos. Indústria 100% brasileira desde 1948, a Corneta possui um extenso parque industrial em Osasco/SP, onde se concentram a produção de peças automobilísticas, a fábrica de ferramentas e a produção de cutelaria.